Shows, Festas, Eventos, Congressos, Feiras
Você está em: » Eventos » Shows »
Heróis de Botequim e DJ Fábio Ferrá
Café Nice | Av. T-11, Esq. c/ T-36, Setor Bueno, Setor Bueno, Goiânia
Local do Evento:
Descrição:
Heróis de Botequim e DJ Fábio Ferrá:
uma dobradinha que dá samba

O Heróis de Botequim, atração fixa dos domingos no Café Nice, sempre a partir das 19 horas, apresenta repertório impecável, que mescla clássicos de grandes nomes como Adoniran Barbosa, Chico Buarque, Ataulfo Alves, João Bosco, Vinícius de Moraes, Geraldo Pereira. Completam a noite as melhores composições em Samba, Samba Rock e Black Music, estilos preferidos do DJ convidado, Fábio Ferrá.

Uma juventude goiana afinada com o samba é o Heróis de Botequim. Formado por Alex Formiga, Diogo Noleto, Fausto Noleto, Gilberto Lima e Guilherme Noleto, o grupo nasceu sem pretensão de fazer carreira, mas hoje, com uma média de 15 apresentações por mês, figura nas melhores casas de Goiânia, e em outros estados, agora mostrando o seu recém-lançado, e por que não dizer, aclamado, CD de estreia: o Episódio 1.

O Heróis de Botequim surgiu de uma singela reunião de amigos apaixonados por samba que, de mansinho, tornou-se um dos principais expoentes do gênero na capital, aclamado pelo profissionalismo e talento. Valor comprovado como atração de abertura de vários shows do estilo na capital, entre eles Alcione, Diogo Nogueira, Teresa Cristina, Nenhum de Nós, Demônios da Garoa e O Teatro Mágico.

Já o produtor musical, DJ e baixista Fábio Ferrá iniciou sua trajetória musical em 1998 com o contrabaixo, e desde então, tem tocado em várias bandas da cena musical goiana. Em 2007, começou seu interesse pela música eletrônica e discotecagem. Buscando sempre aprimorar seus estudos, fez cursos de DJ e Produção Musical em São Paulo.
Redes Sociais do evento:
n.i.
Status:
Confirmado
Início:
23/06/2013 as 19:00
Fim:
Data diferenciada:
Classificação:
n.i.
Valor do Ingresso:
n.i.
Pontos de Venda:
n.i.
Atrações:
n.i.
Outras Informações:
n.i.
Vídeo:
n.i. 



0 pessoas vão

1 pessoas não vão

.  .  .  .  .  .  .  .